+55 11 4349 -1370

Depilação a LED: o segredo para acabar com irritação na pele

Fique atualizado através de informações úteis para sua saúde física e mental.

Você adora a sensação de pele lisinha, mas não aguenta mais a agressão que os métodos de depilação convencionais deixam na pele? Ardência, alergias, dores, foliculite… Tudo isso faz parte do dia a dia de quem insiste em se depilar com cera ou lâmina. Se você também não quer mais sofrer com esta realidade, está no lugar certo: respondemos as principais perguntas sobre a depilação a LED para quem está pensando em eliminar os pelos de forma definitiva!

Seus dias de pele irritada estão contados! Fique com a gente para entender por que a depilação a LED é a melhor opção para quem busca estar sem pelos, com mais conforto, e protegendo a pele!

Depilação a LED e laser é a mesma coisa?

Não. Tanto a depilação a LED quanto o laser têm o mesmo objetivo, que é a eliminação definitiva dos pelos. A principal diferença é que cada uma usa fontes de luz diferentes para este fim.

Qual é a diferença na prática entre a depilação a LED e o laser?

Existem algumas diferenças entre os dois métodos. Entre os destaques, está o fato da depilação a LED possuir a tecnologia “extreme cooling”, ou seja, ponteiras resfriadas. Isso faz com que a aplicação tenha um efeito anestésico, tornando-a mais confortável na comparação com outros métodos.

Além disso, justamente por utilizar temperaturas mais baixas, a depilação a LED pode ser feita de forma confortável em pacientes de pele negra ou morena. Importante ressaltar que nem todo laser é indicado para pessoas com esse fototipo, sob risco de sentir muita dor.

Quantas sessões serão necessárias?

Depende. Cada caso precisa de uma quantidade diferente de sessões, de acordo com o tipo de pelo ou área a ser depilada, no entanto, o número pode variar entre 8 a 10 aplicações. O intervalo entre elas também está relacionado à fase de crescimento do pelo, mas tende a ser mensal.

Logo nas primeiras aplicações da depilação a LED, já é possível ver diferença no pelo, sentindo-o mais fraco e fino, e com maior espaçamento.

As sessões demoram?

Não. Além de mais confortáveis, as sessões de depilação a LED costumam ser bem rapidinhas.

Em quais partes do corpo a depilação a LED pode ser feita?

 A depilação a LED pode ser aplicada na face, pescoço, peitoral, abdômen, braços, região íntima, virilha, base peniana, axilas, costas, ânus, glúteos, pernas, ombros, pés e mãos.

Importante ressaltar que a depilação definitiva não pode ser feita em áreas com tatuagem. A dica é fazer a tattoo depois que passar pelo procedimento.

Quer saber mais sobre esse assunto? Separamos duas matérias para você!
Depilação com cera e lâmina: os vilões da saúde
Descubra qual depilação definitiva é mais eficiente

A depilação a LED pode auxiliar no tratamento de foliculite?

Sim! A foliculite nada mais é que uma infecção nos folículos pilosos. Ela pode aparecer, sobretudo, após a depilação com cera ou lâmina. Ao eliminar os pelos totalmente com a depilação a LED, é possível evitar que novas inflamações ocorram, além de reduzir a exposição da pele a métodos muito agressivos, que aumentam as chances de inflamações e infecções. Por isso, ela é indicada para auxiliar no tratamento da foliculite.

A depilação a LED funciona em qualquer tipo de pelo?

Assim como o laser, a depilação a LED precisa da melanina para que a energia do equipamento seja direcionada através do pelo. A melanina é responsável pelo seu pigmento, por isso, para que seja possível, é preciso que ela esteja presente. Pelos brancos não possuem melanina e, dessa forma, não conseguem ser depilados com métodos definitivos.

Por isso, recomenda-se fazer a depilação a LED antes que os pelos percam sua cor natural!

Que tal dar adeus à irritação e começar uma nova vida, com pele lisinha e mais conforto? Agende sua avaliação: CONTATO

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts mais Lidos

Obrigado por ter se cadastrado em nosso site

Em breve entraremos em contato com novidades.

Nutrição Clínica é o tratamento de doenças por meio da Alimentação.

O nutricionista através de exames específicos é capaz de descobrir qualquer disfunção nutricional, como resistência à insulina, distúrbios alimentares ou dificuldade de absorção de nutrientes, entre outros.

A prevenção de enfermidades também é um dos focos da Nutrição Clínica.
 Veja abaixo algumas doenças que podem ser tratadas com orientação do nutricionista:

    1. Doenças Crônicas: Diabetes, hipertensão, aterosclerose e outras;
    2. Doenças Metabólicas: doença celíaca, intolerância à lactose e similares;
    3. Transtorno Alimentar: Bulimia, anorexia e compulsão alimentar;
    4. Magreza excessiva: IMC abaixo de 18,5;
    5. Obesidade e Sobrepeso;
    6. Desequilíbrio nutricional em atletas.