+55 11 4349 -1370

Remoção de micropigmentação é possível: saiba tudo!

Fique atualizado através de informações úteis para sua saúde física e mental.

remoção de micropigmentação

A micropigmentação pode ser removida sem que fiquem marcas ou resquícios do tratamento utilizado, em sua maioria, para cobrir falhas nas regiões da sobrancelha, boca ou olhos.

Para que o processo de remoção seja feito, há dois tipos de tratamentos recomendados: a remoção por laser ou por ácido. A primeira pode ser feita tanto em clínicas, como em estúdios de tatuagem, enquanto a segunda é necessária ser feita por profissionais estéticos ou dermatologistas.

Procure, sempre, por um profissional qualificado que trabalhe em local recomendado, afinal é um processo que requer cuidados e segurança.

Afinal, o que é a micropigmentação e como ela é feita?

Primeiramente, antes de falar sobre a pigmentação, precisamos entender o que é esta técnica. A pigmentação, como explicado, é um tratamento feio, através da aplicação de pigmentos na pele, para a cobertura de falhas em regiões dos olhos, boca ou sobrancelhas.

Há dois métodos mais conhecidos de se fazer a micropigmentação: a estética e a paramédica. Ambas realizam a mesma função, que é a de cobrir falhas, entretanto por motivos diferentes, como explicamos a seguir.

Na micropigmentação estética, o procedimento acontece por pedido do paciente, que quer corrigir alguma falha que está incomodando, através da pigmentação de pele, com a aprovação de um profissional especializado.

Já na micropigmentação paramédica, a indicação do procedimento parte do especialista, geralmente um médico dermatologista, para a correção de falhas causadas por flacidez, queimaduras, entre outros.

Diferença da micropigmentação para a tatuagem

A micropigmentação e a tatuagem são diferentes em muitos aspectos, desde o produto utilizado, passando pelo maquinário, até a durabilidade, já que a micropigmentação não é para sempre, diferente da tatuagem.

Em relação a tinta utilizada, na micropigmentação são moléculas mais espessas e concentradas, o que não permite a penetração na camada mais profunda da pele, deixando um aspecto mais natural.

Na tatuagem, a tinta é obtida através de uma suspensão de corante, permitindo dar mais vida às cores fortes e fazendo com que penetre até a camada mais profunda, resultando em um resultado permanente.

As máquinas usadas nos processos, também, são diferentes. Na pigmentação são utilizados demógrafos, que são aparelhos inovadores e sofisticados, além de serem silenciosos, vibram menos, contém agulhas pequenas e pulsações controladas, deixando mais preciso e estilizado.

Já a máquina de tatuagem é mais barulhenta, mais pesada e mais potente, pois trabalha com agulhas maiores e em maior número.

A micropigmentação, por estar na superfície mais superficial, não é definitiva, necessitando de retoques, caso queira manter o tratamento. Diferentemente da tatuagem, que tem um resultado definitivo.

Qual o motivo de alguém realizar a remoção de micropigmentação?

O motivo para realizar a remoção da micropigmentação, em geral, é muito particular, seja pelo fato do procedimento ter se desgastado com o tempo, pela desistência de ter feito a micropigmentação ou até mesmo ter mudado de ideia por não ter gostado do resultado. Independente do motivo, é possível solucionar o problema com a remoção.

Há, também, a possibilidade, mesmo que em menor escala, de uma recomendação médica para a remoção da micropigmentação.

Remover uma micropigmentação dói?

O processo de remoção da micropigmentação pode ser, sim, dolorido, afinal, por ser feito, em sua maioria, nas regiões da sobrancelha, olhos e boca que são mais sensíveis.

O desconforto durante a remoção, principalmente, a laser é normal. Entretanto, é necessário que o profissional que irá realizar o procedimento tenha qualificação, especialização e experiência. Ou seja, ele precisa saber dosar o procedimento, para que o pigmento seja retirado, totalmente, da pele, garantindo um resultado mais bonito e natural.

Além do trabalho de remoção é importante que o profissional oriente o paciente com dicas para que o processo possa ser menos desconfortável nos pós, durante e pré procedimento.

Pode fazer nova micropigmentação em cima da antiga?

É, totalmente, possível realizar uma nova micropigmentação em cima da antiga, seja ela sendo removida por inteira ou, somente, desgastada com o tempo.

Entretanto é necessário que o processo seja feito por um profissional qualificado, para que o pigmento seja de boa qualidade e agrade o paciente.

Uma nova pigmentação em cima da antiga, que está desgastada, é mais simples. Afinal, o local já estará acostumado com o pigmento, além de ser um procedimento menos agressivo.

Já na situação de micropigmentação após a remoção, a pele estará mais sensível. Isso porque o local terá passado por dois procedimentos, necessitando, assim, mais cuidado durante o processo.

remoção de micropigmentação

Principais técnicas de remoção de micropigmentação

As duas principais maneiras de fazer a remoção da pigmentação são através do laser e do ácido. A primeira pode ser feita tanto em estúdios de tatuagens, como em clínicas, já a segunda é recomendado que seja com esteticistas ou médicos dermatologistas.

A seguir, você acompanha como funciona o tratamento utilizando a máquina Spectra X e o peeling.

Spectra XT

O Spectra XT é um moderno aparelho utilizado para a remoção de tatuagem e micropigmentação e conta com o protocolo Lumina, permitindo a diminuição de manchas, poros abertos, e oferece luminosidade à pele, através de um laser.

É a mais avançada tecnologia para remoção de tatuagens e micropigmentação, trabalha com laser em velocidade ultrarrápida e com disparos à luz em nanosegundos, gerando melhores resultados.

Durante o processo, atinge, somente, o pigmento da tinta, não tendo qualquer reação na pele gera um desconforto mínimo, mesmo para pessoas com mais sensibilidade.

Peeling

O peeling é um processo de remoção das camadas mais superficiais da pele e pode acontecer com produto químico, físico ou laser. O tratamento provoca  uma pele reestruturada e renovada, além de estimular a produção de colágeno.

São vários os tipos de peeling existentes, sendo do superficial ao mais profundo.

O peeling, pode ser uma alternativa para a remoção da micropigmentação através do uso de ácido, mas necessita ser feito por profissionais qualificados.

O espaço de tempo entre sessões de peeling variam, sendo o mais superficial até cinco dias e o mais profundo entre 30 e 45. Claro, isso depende da resposta da pele do paciente.

Quer realizar a remoção de micropigmentação? A Lissome é sua melhor escolha

Agora que você sabe sobre a remoção de micropigmentação e como fazê-la com segurança e de modo indolor, você precisa conhecer a Lissome.

A clínica oferece uma equipe multidisciplinar, profissionais altamente qualificados que unem dermatologia, estética, nutrição, fisioterapia e odontologia.

Além disso, na Lissome, você terá equipamentos de última geração, aprovados pela Anvisa e com dados científicos publicados em revistas médicas. 

Entre em contato com a L’issome e saiba mais sobre nossos serviços.

Para outras informações sobre saúde e estética, confira outros artigos no Blog da Lissome.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Posts mais Lidos

Obrigado por ter se cadastrado em nosso site

Em breve entraremos em contato com novidades.

Nutrição Clínica é o tratamento de doenças por meio da Alimentação.

O nutricionista através de exames específicos é capaz de descobrir qualquer disfunção nutricional, como resistência à insulina, distúrbios alimentares ou dificuldade de absorção de nutrientes, entre outros.

A prevenção de enfermidades também é um dos focos da Nutrição Clínica.
 Veja abaixo algumas doenças que podem ser tratadas com orientação do nutricionista:

    1. Doenças Crônicas: Diabetes, hipertensão, aterosclerose e outras;
    2. Doenças Metabólicas: doença celíaca, intolerância à lactose e similares;
    3. Transtorno Alimentar: Bulimia, anorexia e compulsão alimentar;
    4. Magreza excessiva: IMC abaixo de 18,5;
    5. Obesidade e Sobrepeso;
    6. Desequilíbrio nutricional em atletas.